19 setembro 2019

[RESENHA] Dumbo: Amigos nas alturas - John Jackson Miller





TÍTULO: Dumbo: Amigos nas alturas
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Pixel
NUMERO DE PAGINAS: 64
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: Dumbo, o elefante voador, é o mais novo integrante do Circo Medici – e rumores sobre seu talento em desafiar as leis da gravidade já começaram a se espalhar! Em cinco histórias interconectadas, Dumbo passa pela vida de artistas que seguem caminhos diferentes de realização pessoal: Milly e Joe encaram um dilema durante um temporal; Max Medici traça um plano complexo demais; Ivan, o Maravilhoso, descobre que a mágica não resolve todos os seus problemas; Colette Marchant está no caminho para se tornar uma rainha dos ares; e a Sra. Jumbo e seu filho se deparam com um momento especial e recebem uma lição importante... Aproveite a magia e a aventura desta revista em quadrinhos da Disney, uma antologia que vai muito além do filme Dumbo, dirigido por Tim Burton.

17 setembro 2019

[RESENHA] A Ordem do Faraó - Helon Oliveira

  

TÍTULO: A Ordem do Faraó
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
EDITORA: Viseu
NUMERO DE PAGINAS: 300
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: A ordem do faraó foi criada por Quéfren um dos reis do Egito da quarta dinastia, que construiu as pirâmides de Gize para ocultar um grande poder vindo dos céus, essa ordem até os dias de hoje tem o objetivo de escondê-lo, tal segredo se descoberto e em mãos inescrupulosas pode levar a humanidade ao caos absoluto diante disso Liah Gorski, Pablo Cortes e Marc Lawford, três jovens que vivem em diferentes partes do mundo, Varsóvia, Cidade do México e Londres respectivamente entram na trama principal do livro de maneiras e por razões diferentes, cada um com seu protagonismo.

12 setembro 2019

[RESENHA] As Bruxas do Lago Léman - Favio Dias



TÍTULO: As Bruxas do Lago Léman
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
EDITORA: Micro Notas 
NUMERO DE PAGINAS: 245
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: Até 1782, nos castelos à beira do lago Léman, entre a França e a Suíça, cerca de 5 mil mulheres foram julgadas e condenadas por bruxaria. A grande maioria, após torturas e sofrimentos, levada à fogueira. Em plena filmagem de seu primeiro documentário – As bruxas do lago Léman – a jovem cineasta parisiense Diane recebe a notícia que seu pai biológico (que ela pouco conhecera) foi encontrado morto, em circunstâncias estranhas, na ilha de Santa Catarina, também conhecida como ilha das bruxas. Guiada por impressionantes coincidências e “serendipidades”, Diane mergulha de corpo e alma numa jornada em busca de seu passado, da verdade sobre a morte de seu pai, e de um laço que una destino, poesia, arte e bruxaria. 

10 setembro 2019

[RESENHA] Phobiafilia - Preto Pasin


TÍTULO: O Príncipe Da Névoa
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Diário Macabro
NUMERO DE PAGINAS: 76
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: Copos de cerveja, pessoas fantasiadas, umbigos, relógios, mariposas, espelhos, estátuas, pregos, demônios, deuses, céu e inferno: estes são alguns dos elementos, dentre uma extensa lista, que podem causar repulsa ou pavor em pessoas que sofrem com algum tipo de fobia.
PHOBIAFILIA se define por uma composição de narrativas que descrevem a sensação de medo/pavor gerado por uma determinada fobia. Neste conjunto de 30 fobias, um mesmo personagem enfrenta, a cada página, uma dessas fontes de horror.

05 setembro 2019

[RESENHA] Skyward - Conquiste as Estrelas - Brandon Sanderson

  

TÍTULO: Skyward - Conquiste as Estrelas
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
EDITORA: Planeta
NUMERO DE PAGINAS: 400
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: O novo épico de um dos maiores autores de ficção especulativa do mundo: Brandon Sanderson, agora na Planeta Minotauro. Nesse novo épico do aclamado autor Brandon Sanderson, o futuro da humanidade depende dos sonhos de uma garota. Derrotada, devastada e levada quase à extinção, a raça humana se vê presa em um planeta distante, constantemente atacado por misteriosos combatentes alienígenas. Spensa, uma adolescente, anseia por se tornar piloto e se juntar à resistência. Quando descobre os restos de uma velha nave, um modelo que a garota nunca tinha visto na vida, percebe que esse sonho pode enfim se tornar realidade. Para isso, no entanto, a garota precisará consertar a grande nave, aprender a pilotá-la e – talvez o mais difícil – convencer a inteligência artificial que controla os restos da embarcação a ajudá-la: essa incrível nave, de alguma forma, parece ter uma alma própria. “Brandon Sanderson é simplesmente um escritor brilhante. Ponto.” – PATRICK ROTHFUSS, AUTOR DE O NOME DO VENTO

03 setembro 2019

[RESENHA] O Príncipe Da Névoa - Carlos Ruiz Zafón

  

TÍTULO: O Príncipe Da Névoa
ANO DE LANÇAMENTO: 2013
EDITORA: Suma das Letras
NUMERO DE PAGINAS: 146
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: O livro se passa em 1943, quando a família do jovem Max Carver se muda para um vilarejo no litoral. Porém, a nova casa dos Carver está cercada de mistérios. E os novos moradores se sentem cada vez mais ansiosos: a irmã de Max, Alicia, tem sonhos perturbadores, enquanto ao outra irmã, Irina, ouve vozes que sussurram para ela de um velho armário. Com a ajuda de Roland, um novo amigo, Max também descobre os restos de um barco que afundou há muitos anos, numa terrível tempestade.
Enquanto os adolescentes exploram o naufrágio, investigam os mistérios e vivem um primeiro amor, um diabólico personagem surge na trama. Trata-se do Príncipe da Névoa, um ser capaz de conceder desejos a uma pessoa, ainda que, em troca, cobre um preço demasiadamente alto.

[RESENHA] Jogo Perigoso - Stephen King

  

TÍTULO: A Garota da Casa da Colina 
ANO DE LANÇAMENTO: 2013
EDITORA: Suma das Letras
NUMERO DE PAGINAS: 336 
CLASSIFICAÇÃO: ★  


SINOPSE: Solidão, dificuldade de se comunicar e de se locomover e traumas da infância. Estes são os temas fundamentais de Jogo perigoso. Jessie e Gerald estão tendo problemas no relacionamento. Na tentativa de dar nova vida a seu casamento, viajam para uma região isolada no Maine. Mas um jogo de sexo acaba se transformando em prelúdio para uma noite de horror.
Durante o jogo, Jessie é acorrentada à cama, e, subitamente, Gerald morre diante de seus olhos. Está presa e logo percebe que não há chance de alguém ouvir seus gritos. É nesse momento que, impotente e acompanhada apenas do cadáver do marido, vê todos os seus maiores medos ressurgirem para torturá-la.
Jogo perigoso, de Stephen King, revela o estilo eletrizante que consagrou este mestre do terror moderno, e faz o leitor mergulhar numa trama fascinante e diabólica.

28 agosto 2019

[RESENHA] O Signo Dos Quatro - Arthur Conan Doyle



TÍTULO: O Signo Dos Quatro
ANO DE LANÇAMENTO: 2017
EDITORA: Pé da Letra
NUMERO DE PAGINAS: 96
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: Em 1877, Arthur Conan Doyle trazia à vida o lendário Sherlock Holmes. O detetive, na companhia de seu colega, Dr. John Watson, desvenda desde então os mais incríveis mistérios e é, com certeza, um dos maiores personagens da história da literatura policial.
O signo dos quatro foi o segundo romance publicado pelo autor e traz uma trama envolvente que tem início quando uma bela moça aparece na Baker Street, 221, pedindo a ajuda de Sherlock Holmes para descobrir o que aconteceu com seu pai. A partir daí, Holmes e seu parceiro, Watson, partem para desvendar o mistério.

23 agosto 2019

[RESENHA] Um Escândalo Na Boêmia E Outras Aventuras - Arthur Conan Doyle

  

TITULO: Um Escândalo Na Boêmia E Outras Aventuras
ANO DE LANÇAMENTO: 2017
EDITORA: Pé da Letra
NUMERO DE PAGINAS: 96
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: Em 1877, Arthur Conan Doyle trazia à vida o lendário Sherlock Holmes. O detetive, na companhia de seu colega, Dr. John Watson, desvenda desde então os mais incríveis mistérios e é, com certeza, um dos maiores personagens da história da literatura policial.
O conto Um escândalo na Boêmia faz parte da coletânea de contos mais conhecida do autor e cativou a todos desde que foi apresentado ao público, tornando-se uma das histórias mais famosas do detetive. Neste livro, você encontra essa e outras aventuras.


20 agosto 2019

[RESENHA] O Mistério do Trem Azul - Agatha Christie


TÍTULO: O Mistério do Trem Azul 
ANO DE LANÇAMENTO: 2010
EDITORA: L&PM
NUMERO DE PAGINAS: 271
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: Um milionário norte-americano compra um colar de rubi conhecido como "Coração de Fogo" e presenteia a sua filha, Ruth Kettering. É um colar maravilhoso, muito cobiçado por ladrões e colecionistas.

Durante a viagem no “comboio azul” em direção a Nice, Ruth é estrangulada e o "Coração de Fogo" é roubado. Por pura ironia, um dos passageiros era Hercule Poirot, que será encarregado por Rufus Van Aldin, pai de Ruth, de descobrir o assassino. A situação é complexa, mas Poirot contará com a ajuda de outra passageira, Katherine Grey, para resolver o mistério.

15 agosto 2019

[RESENHA] A Garota da Casa da Colina - Larissa Brasil

  

TITULO: A Garota da Casa da Colina 
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Monomito Editorial
NUMERO DE PAGINAS: 319
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: Anos depois de fugir de sua vida na pequena Campo das Flores, a lutadora de boxe Yara está de volta. O homem que ela mais odiava, seu avô, agora está morto e a única coisa que ela quer é abraçar sua avó. O que era para ser uma rápida visita vai desencadear uma sequência de acontecimentos quando ela conhecer sua pequena vizinha, Nina. A amizade entre elas vai revelar uma estranha ligação em suas vidas e mostrar a Yara que seu passado esconde fatos nebulosos e que seu avô pode ser ainda pior do que ela imaginava.

06 agosto 2019

[RESENHA] Sombras da Noite - Stephen King



TITULO: Sombras da Noite 
ANO DE LANÇAMENTO: 2008
EDITORA: Objetiva
NUMERO DE PAGINAS: 411
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: Stephen King reúne aqui 20 de seus mais inquietantes contos- relatos de acontecimentos bizarros e atos impensáveis, surgindo daquela região crepuscular onde ruídos nas paredes e sombras perto da cama prenunciam algo terrível que ronda à solta. Os cenários são familiares e acima de qualquer suspeita - um colégio, uma fábrica, uma lanchonete rodoviária, uma lavanderia, um milharal. Mas no mundo de Stephen King, qualquer lugar pode servir como território sobrenatural. Só é necessária uma hora propícia da noite e a distração das vitimas. Alguns desses clássicos inspiraram filmes memoráveis: As Crianças do Milharal (Colheita Maldita) O Homem do Cortador de Grama (O Passageiro do Futuro), A Máquina de Passar Roupa (Mangler: O Grito de Terror) e Às Vezes Eles Voltam.

25 julho 2019

[RESENHA] O Chamado da Escuridão - Warley Marins


TÍTULO: O Chamado da Escuridão
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
EDITORA: Viseu
NUMERO DE PAGINAS: 152
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: O Chamado da Escuridão é um livro constituído por duas partes. Cada uma dessas partes equivale a um conto.

Parte 1: O Manuscrito do Sr. Adler
Um erudito britânico, apaixonado por investigar o sobrenatural, ao ler no jornal sobre uma rocha encontrada por geólogos na floresta de West Air, cidadezinha rural, fica intrigado com a descoberta dos cientistas, pois a rocha encontrada é a mesma rocha que constitui a cidade que está em seus vívidos e hórridos sonhos. Ele decide deixar Londres e ir a West Air. Lá descobre documentos que lançam uma nova luz sobre uma velha pesquisa. Então, ao retornar a Londres, ele escreve a seu amigo, o Cavalheiro de Providence, um ilustre norte-americano, que expande a pesquisa de seu camarada britânico, enviando a ele um grimório da Universidade Miskatonic. Daí em diante, Adler, o erudito britânico, vê-se cada vez mais envolvido pelos tentáculos de uma sinistra conspiração.

Parte 2: O Homem de Preto
O pintor Dail Drake vai até Breas Village, no condado de Sussex, para compartilhar um segredo místico e sombrio com seu colega de profissão, Ian Ballard. Dail fornece a Ian papéis que o proporcionam ter experiências sobrenaturais. Logo Ian percebe que os papéis que leu carregam uma maldição, pois um homem muito alto, sem sombra, de olhos completamente brancos e brilhantes, trajado todo de preto; usando botas, luvas, sobretudo e um longo chapéu de feltro, é visto no vilarejo. Animais começam a sumir; cães choram nas noites, e um macabro corvo é o sinal mais claro de que uma nuvem negra paira sobre Breas Village.

16 julho 2019

[RESENHA] Meu Pé de Jabuticaba - Vera Lúcia Marinzeck



TITULO: Meu Pé de Jabuticaba
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Academia
NUMERO DE PAGINAS: 224
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: Depois de Violetas na Janela, O escravo e O morro dos ventos, conheça a história de Júlio, herdeiro
de uma fazenda mal-assombrada
Júlio recebe de herança a propriedade Toca do Tatu, uma fazenda e uma casa, mas o local tem fama de assombrado. O moço se instala na casa e muitas coisas acontecem. De fato, ele divide a moradia com cinco desencarnados que têm, cada um, sua história de vida. Ossadas são encontradas bem em frente à sua árvore... Júlio e a namorada decidem procurar ajuda e encontram orientações num centro espírita.
O livro, embora tenha momentos engraçados, trata de algo sério, que ocorre com muitos desencarnados que não aceitam a mudança de planos e continuam vivendo iludidos, sem conseguir abandonar o local onde viveram encarnados.
Quantas lições podemos tirar desta singela e agradável leitura! A dupla Antonio Carlos e Vera Lúcia nos brinda com mais uma joia literária.

11 julho 2019

[RESENHA] Espelho, Espelho Meu! Qual Crush Escolho Eu? - Priscila Debly



TITULO: Espelho, Espelho Meu! Qual Crush Escolho Eu?
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
EDITORA: Coerência
NUMERO DE PAGINAS: 200
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: Anabelle conta sua história do abandono na infância e encontra na dança o alívio necessário para fazer sua subconsciência falar mais alto enquanto capta o mistério da alma humana. Aos dezoito anos, se sente à flor da pele, perdidamente apaixonada por dois jovens que são capazes de despertar desejo e amor em qualquer moça. Na dúvida entre seus dois crushs, ela não consegue escolher entre o loiro de olhos azuis que conquistou uma frota de admiradoras e o dono do sorriso mais encantador que já viu, um rapaz sedutor e forte.
O verão que passou ao lado de um de seus amores ainda desperta arrepios na jovem. Anabelle se lembra de que não foi apenas o clima quente que os fez fervilhar. A lembrança dos dois corpos em ebulição, do suor escorrendo e dos peitos prestes a explodir ainda a faz sentir como se estivesse lendo um livro do qual não quer conhecer o final, parar de ler.
Hoje, sua autoestima oscila cada vez mais para baixo. Nessa jornada, ela luta por sua libertação e pelo feminismo. Mas será que terá forças para encarar seu destino? Quem será o crush do espelho?



08 julho 2019

[RESENHA] Os Vigilantes (O Guerreiro de Outro Mundo) - Lucas de Almeida


TITULO: Os Vigilantes
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Viseu
NUMERO DE PAGINAS: 190
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: O que você faria se descobrisse que existe algo além da Terra? O que faria se descobrisse que tem habilidades especiais? Elise Carpter e Jackson Kinney terão de se unir a um garoto desconhecido, que se diz mais velho do que aparenta, para salvarem Los Angeles de uma grande ameaça vinda de outro mundo.




01 julho 2019

[RESENHA] O Silêncio dos Livros - Fausto Luciano Panicacci



TITULO: O Silêncio dos Livros
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Pandorga
NUMERO DE PAGINAS: 256
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: TER LIVROS É CRIME. DENUNCIE. Numa época em que os livros são proibidos, o misterioso Santiago Pena acaba de chegar a Portugal, onde conhecerá Alice, menina desprezada pelos pais. O encontro de um antigo caderno trará questões intrigantes. Que relação haveria entre um jovem acusado de crime que alega não ter cometido, suntuosos projetos arquitetônicos e a descoberta de uma biblioteca abandonada? O Silêncio dos livros é uma declaração de amor à Literatura. Romance para ser saboreado não só pelo enredo recheado de tensões e suspense, mas também pelos detalhes de construção, insere-se na melhor tradição da cultura ocidental, com sutis menções a livros, poemas e vinhos, a mitos clássicos e folclore, a obras de arte e teorias científicas, além de enveredar por grandes discussões da contemporaneidade, como privacidade, identidade, genética, direito ao esquecimento. Manejando uma linguagem precisa e poética, o autor cria metáforas surpreendentes, explora recursos estilísticos e sabe convidar o leitor a desvendar sentidos apenas sugeridos.

28 junho 2019

[Resenha] Interestelar


Da série Livro + Filme
Interestelar
Ficção científica
268 páginas
Editora Gryphus Geek www.gryphus.com.br
Romantização por Greg Reyes (inspirado no roteiro original de Jonathan Nolan e Christopher Nolan)
Traduzido por Vera Whately


Começa com a voz antiga de uma mulher, temperada com memórias, misturada com saudade e tristezas. São lembranças de um tempo em que se podia pisar no solo, respirar o ar da manhã e ver o azul do céu. Hoje, essa voz antiga caminha por toneladas de engenhocas girantes num espaço negro, sem ar, sem som. Sem você. Tudo o que você já viu, o que já conheceu; coisas passadas, história e familiares, tudo não existe mais. A Terra não existe mais como a tínhamos. Hoje, os representantes da humanidade vivem numa Terra artificial, uma caixa de réplicas e tentativas de se recriar o máximo possível para vozes antigas como a da mulher não serem silenciadas pela saudade.
Esse é o sentimento no Interestelar. Uma saudade antiga, vivida por poucos, ouvidas pelos jovens, hoje relatada por velhas e velhos: os últimos a deixarem a Terra.
O mundo começou a sofrer com uma praga que foi devastando as plantações e consumindo o oxigênio da atmosfera, e junto começaram tempestades de areia e ventos fortes que vinham para sufocar e depositar poeira. Não se sabe quando a praga começou, de onde veio, como chegou. Ela se impôs, respirando nosso ar, se alastrando. Frutas, verduras, animais, água limpa. Aos poucos os recursos foram sendo minados. A praga, resiliente, prosperou. Sobrou pouca coisa para se comer. Quiabo, milho. O quiabo foi o penúltimo a sumir; um incêndio varreu suas últimas folhagens ainda distantes da praga. Então o milho tentou. Com suas hastes compridas, seu verde chumbo forte, mas em vão. A praga já havia se decidido: o milho será o próximo.
Um café da manhã com milho cozido e papa de milho. Cerveja gelada de milho. Pipoca. E mais papa de milho. Quem ainda podia ter milho em casa, se alegrava, pois muitos não tinham nem água mais para sequer se banhar da poeira que cobria o mundo.
Assim começa Interestelar, com uma atriz mais velha falando à frente de um fundo preto, como se fosse um documentário do History Channel. Essa personagem, por sinal, tem um papel fundamental para a existência dessa nova Terra girando no espaço. Pense agora em todo esse peso sentimental conduzido pela trilha sonora de Hanns Zimmer. Um filme/livro não apenas para se ver, mas também para se ouvir, de preferência ou de olhos fechados ou com os olhos bem abertos, mirando as estrelas numa madrugada fria. Mas espera, estamos falando do filme ou do livro? Tanto faz, pois o livro foi uma romantização escrita depois do filme,
Então o livro Interestelar veio depois do sucesso do filme, depois de toda a jornada dos astronautas e é praticamente o livro descritivo, porém, algumas partes entregues sem o drama e emoção presenciados pela visual de Cristopher Nolan. A vantagem de se ter o romance é poder aprofundar em questões sobre o momento em que os personagens estão vivendo (no filme são apresentados pistas curtas e rápidas, ficando a desejar).
“É verdade, meu pai era fazendeiro na época.”
“Como todo mundo era...”
Esses dois trechos apresentam uma necessidade que o mundo vive: falta de comida. Não se educa mais os jovens pensando em engenheiros ou inventores, e sim em fazendeiros. Cooper, o protagonista, foi engenheiro e piloto da NASA, e hoje cuida de uma extensa fazenda. Seu produto principal (e único): milho.
“Ele (Cooper) era um bom homem. E também um bom fazendeiro, o tipo de sujeito que a gente gostaria de ter por perto quando precisasse que uma colheitadeira de vinte anos voltasse a funcionar com uns cabos e uma torradeira velha. Ou se quisesse que o painel solar tivesse um rendimento de mais quinze por cento.”
Assim se vê a personalidade completa de Cooper.  Um faz-tudo na fazenda. E num mundo apocalíptico, com uma praga varrendo a vegetação e tempestades de poeira que sufoca e soterra pessoas, um faz-tudo engenheiro é o que você vai precisar.
Para os mais velhos que em nada podiam colaborar num mundo assim, sobrava o sentimento niilista de apenas mais um dia pela frente.
“Donald (sogro de Cooper, um vovô de uns setenta anos) varreu a poeira da varanda da casa da fazenda mesmo sabendo que não fazia sentido, pois em questão de horas, estaria tudo sujo de novo. Mas desistir totalmente de varrer parecia mais sem sentido ainda.”
Com mais esses dois trechos temos o desenho dos últimos viventes nessa Terra condenada. A resiliência com criatividade na pessoa d Cooper e a saudade com conformismo em seu sogro Donald. Uma sociedade provavelmente (pelas pistas que colhi no livro) do ano 2050; porém vivendo um cotidiano de uma sociedade agrária dos anos 30.
“Nós somos uma geração de zeladores.” Disse o diretor da escola onde a filha de Cooper (Murph) estuda. Zeladores apenas cuidando do que foi deixado para trás e que ainda dura antes da próxima tempestade de areia. Mas Cooper sentia-se infeliz: “Nós esquecemos quem somos, Donald. Exploradores. Pioneiros. Não zeladores.”


Mesmo nessa ambientação de fim de mundo, com tecnologia de ponta, robôs falantes e inteligência artificial, Interestelar é uma obra sobre o amor, elevando esse sentimento a uma espécie de força, de artefato.
“Estou tentando dizer que não fomos nós que inventamos o amor. O amor é uma coisa observável, poderosa. Por que não deve significar alguma coisa?”
 “É por isso que quero seguir meu coração. Mas talvez tenhamos gasto tempo demais tentando descobrir tudo isso com teoria...”
Seguimos os astronautas Cooper, Amelia, Romilly e Doyle numa jornada espacial no rastro de uma tal “operação Lázaro”, iniciada há dez anos do presente da narrativa. Lázaro foi uma missão da NASA em que 12 astronautas foram enviados a outra galáxia, cruzando por um buraco de minhoca próxima a Saturno. Cada um, teoricamente, pousou num planeta nessa galáxia nova. Esses 12 deveriam registrar, analisar e enviar para a Terra os dados de seu planeta novo. A NASA receberia os dados dos 12 planetas e veria qual o mais compatível para os humanos colonizar. Esse é o esqueleto base do enredo. Porém, nessa coleção cósmica de Física, Astrofísica e Quântica, tem-se a presença do artefato mais forte que a gravidade: o amor.
“Amor é a única coisa perceptível que transcende as dimensões de tempo e espaço.”, disse a doutora Amelia Brand.
Murph e Cooper formam a base de um amor puro, entre pai e filha, um elo quântico, a ponte que cruza o espaço-tempo e permite a coexistência de fatias de momentos do passado e do presente. De toda a tecnologia de uma civilização superior (seres que vivem em cinco dimensões) que se vê desenvolver durante o filme, a ponte principal que cruzou o espaço-tempo foi o amor de um pai e sua filha. (Supostamente são esses seres superiores, chamados de “Eles”, que ajudam a NASA a tentar salvar a Terra.)
Cooper desabafa: “Como pai, eu sei que a coisa mais importante de todas é fazer os seus filhos se sentirem seguros. Portanto, não podia dizer a uma menina de 10 anos que o mundo estava para acabar”.
Por outro lado, doutora Amelia Brand, 10 anos depois de se despedir do homem que ama, cruza a galáxia seguindo uma intuição de seu coração: o amor.
“Talvez signifique que há uma coisa a mais; uma coisa que ainda não podemos compreender. Talvez seja alguma evidência, algum artefato de dimensões maiores que não podemos perceber conscientemente. Eu tenho atração por alguém do outro lado do universo, que não vejo há dez anos e que provavelmente está morto.”
Mais uma vez: de toda a tecnologia, mistério e criatividade do cérebro dos cientistas, a força mais brilhante é o amor. E é nisso que está a emoção de Interestelar.
“A evolução tem ainda de transcender essa barreira simples: nós podemos nos preocupar profundamente, com muito altruísmo, com pessoas que conhecemos, mas nossa empatia raramente se estende àqueles que nunca vimos.”
O filme é claramente visual, com interpretações, gestos e expressões faciais que ficarão na história do cinema. A cena de Cooper assistindo aos vídeos, sentado, rosto magro, úmido, é o clímax de sentimentalismo do filme. Já no livro, a mesma cena foi entregue em poucos parágrafos, rápida, curta, sem emoção. Não julgo o romance, pois não havia o que se fazer, pois o filme foi o pioneiro; Matthew McConaughey é Cooper e é impossível ler o livro sem imaginar o mesmo ator. Aliás, todos os atores ficarão na sua mente se você assistir ao filme primeiro. De toda forma, com trechos curtos e inserções novas para criar mais ligação entre as cenas, Greg Keyes (autor do romance) deixou sua contribuição para a obra e se faz necessária a leitura do romance para quem ama o filme (Eu!).
Tenha consigo que o livro não será uma experiência nova, nem um “mais do mesmo”, mas será uma contribuição, ou um complemento para o filme, mesmo que sutil. Como por exemplo, em pensamentos curtos dos personagens em momentos que no filme passam rápido, e no livro, pelo motivo óbvio de ser texto, pode ser aprofundado, criando mais empatia com a ação da cena.
O filme é de 2014, e a versão do livro em português que tenho foi lançada em 2016.
O livro físico é básico, sem nada em excesso (mas Interestelar merece uma edição especial), contei alguns 5 ou 6 erros (pequenos) de digitação (nada que vá te atrapalhar, mas estão lá). Talvez a capa merecesse um trabalho mais delicado, principalmente o trato com o texto, pois o fundo muito branco e frio da imagem dificulta a leitura do texto escuro; de toda forma, a capa é bonita, mostra o Matthew McConaughey com seu traje espacial e o nome Interestelar (que é praticamente um logo, o mesmo usado no filme e em todas as peças de divulgação da Warner Bros).
Não vou dar nota, pois sou fã total do Christopher Nolan, Matthew McConaughey e Hans Zimmer, e não consigo separar as coisas. (Mas em off eu daria nota total!)


Link para o livro físico
Link para o e-book

E aí? Você já assistiu ou leu? Comenta aí.
A resenha também está no meu Instagram, corre lá e comenta também. :-)

Bjos espaciais!





26 junho 2019

[RESENHA] Os Contos que Trago - Humberto Assumpçao



TITULO: Os Contos que Trago
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Luva
NUMERO DE PAGINAS: 100
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: A filha sempre chegava da escola ao meio dia e isso acalentava e enchia de orgulho o coração dos pais, acreditando que estavam fazendo a coisa certa. O mesmo sentimento tinha Antônio em relação a Lisa, sua dedicada esposa. Até que, ao tomar banho após um quente dia de trabalho, encontrou um negro e crespo pelo em seu sabonete branco. E Antônio, que não tem pelo algum em todo o seu corpo por causa de um trauma de infância, passou a desconfiar da santa esposa. Também temos Artemisa que é o orgulho da mãe extremamente religiosa, mas que sonhava em pular seu primeiro carnaval e conhecer a festa da carne. Um macro universo chamado Baixada Fluminense onde convivemos com o lixo e o luxo, com pretos velhos e pastores, racistas e militantes, tarados assumidos e hipócritas covardes. O certo e o errado que existe dentro de todos nós.
Os Contos Que Trago fala das ações miúdas acontecendo nesse exato momento que dificilmente percebemos, até que elas ocorram conosco

© Lendo 1 bom livro - Por Day Morais | - 2016 - Layout Criado Por: Pepi Artes Digitais imagem-logo