16 julho 2019

[RESENHA] Meu Pé de Jabuticaba - Vera Lúcia Marinzeck



TITULO: Meu Pé de Jabuticaba
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Academia
NUMERO DE PAGINAS: 224
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: Depois de Violetas na Janela, O escravo e O morro dos ventos, conheça a história de Júlio, herdeiro
de uma fazenda mal-assombrada
Júlio recebe de herança a propriedade Toca do Tatu, uma fazenda e uma casa, mas o local tem fama de assombrado. O moço se instala na casa e muitas coisas acontecem. De fato, ele divide a moradia com cinco desencarnados que têm, cada um, sua história de vida. Ossadas são encontradas bem em frente à sua árvore... Júlio e a namorada decidem procurar ajuda e encontram orientações num centro espírita.
O livro, embora tenha momentos engraçados, trata de algo sério, que ocorre com muitos desencarnados que não aceitam a mudança de planos e continuam vivendo iludidos, sem conseguir abandonar o local onde viveram encarnados.
Quantas lições podemos tirar desta singela e agradável leitura! A dupla Antonio Carlos e Vera Lúcia nos brinda com mais uma joia literária.

11 julho 2019

[RESENHA] Espelho, Espelho Meu! Qual Crush Escolho Eu? - Priscila Debly



TITULO: Espelho, Espelho Meu! Qual Crush Escolho Eu?
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
EDITORA: Coerência
NUMERO DE PAGINAS: 200
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: Anabelle conta sua história do abandono na infância e encontra na dança o alívio necessário para fazer sua subconsciência falar mais alto enquanto capta o mistério da alma humana. Aos dezoito anos, se sente à flor da pele, perdidamente apaixonada por dois jovens que são capazes de despertar desejo e amor em qualquer moça. Na dúvida entre seus dois crushs, ela não consegue escolher entre o loiro de olhos azuis que conquistou uma frota de admiradoras e o dono do sorriso mais encantador que já viu, um rapaz sedutor e forte.
O verão que passou ao lado de um de seus amores ainda desperta arrepios na jovem. Anabelle se lembra de que não foi apenas o clima quente que os fez fervilhar. A lembrança dos dois corpos em ebulição, do suor escorrendo e dos peitos prestes a explodir ainda a faz sentir como se estivesse lendo um livro do qual não quer conhecer o final, parar de ler.
Hoje, sua autoestima oscila cada vez mais para baixo. Nessa jornada, ela luta por sua libertação e pelo feminismo. Mas será que terá forças para encarar seu destino? Quem será o crush do espelho?



08 julho 2019

[RESENHA] Os Vigilantes (O Guerreiro de Outro Mundo) - Lucas de Almeida


TITULO: Os Vigilantes
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Viseu
NUMERO DE PAGINAS: 190
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: O que você faria se descobrisse que existe algo além da Terra? O que faria se descobrisse que tem habilidades especiais? Elise Carpter e Jackson Kinney terão de se unir a um garoto desconhecido, que se diz mais velho do que aparenta, para salvarem Los Angeles de uma grande ameaça vinda de outro mundo.




01 julho 2019

[RESENHA] O Silêncio dos Livros - Fausto Luciano Panicacci



TITULO: O Silêncio dos Livros
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Pandorga
NUMERO DE PAGINAS: 256
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: TER LIVROS É CRIME. DENUNCIE. Numa época em que os livros são proibidos, o misterioso Santiago Pena acaba de chegar a Portugal, onde conhecerá Alice, menina desprezada pelos pais. O encontro de um antigo caderno trará questões intrigantes. Que relação haveria entre um jovem acusado de crime que alega não ter cometido, suntuosos projetos arquitetônicos e a descoberta de uma biblioteca abandonada? O Silêncio dos livros é uma declaração de amor à Literatura. Romance para ser saboreado não só pelo enredo recheado de tensões e suspense, mas também pelos detalhes de construção, insere-se na melhor tradição da cultura ocidental, com sutis menções a livros, poemas e vinhos, a mitos clássicos e folclore, a obras de arte e teorias científicas, além de enveredar por grandes discussões da contemporaneidade, como privacidade, identidade, genética, direito ao esquecimento. Manejando uma linguagem precisa e poética, o autor cria metáforas surpreendentes, explora recursos estilísticos e sabe convidar o leitor a desvendar sentidos apenas sugeridos.

28 junho 2019

[Resenha] Interestelar


Da série Livro + Filme
Interestelar
Ficção científica
268 páginas
Editora Gryphus Geek www.gryphus.com.br
Romantização por Greg Reyes (inspirado no roteiro original de Jonathan Nolan e Christopher Nolan)
Traduzido por Vera Whately


Começa com a voz antiga de uma mulher, temperada com memórias, misturada com saudade e tristezas. São lembranças de um tempo em que se podia pisar no solo, respirar o ar da manhã e ver o azul do céu. Hoje, essa voz antiga caminha por toneladas de engenhocas girantes num espaço negro, sem ar, sem som. Sem você. Tudo o que você já viu, o que já conheceu; coisas passadas, história e familiares, tudo não existe mais. A Terra não existe mais como a tínhamos. Hoje, os representantes da humanidade vivem numa Terra artificial, uma caixa de réplicas e tentativas de se recriar o máximo possível para vozes antigas como a da mulher não serem silenciadas pela saudade.
Esse é o sentimento no Interestelar. Uma saudade antiga, vivida por poucos, ouvidas pelos jovens, hoje relatada por velhas e velhos: os últimos a deixarem a Terra.
O mundo começou a sofrer com uma praga que foi devastando as plantações e consumindo o oxigênio da atmosfera, e junto começaram tempestades de areia e ventos fortes que vinham para sufocar e depositar poeira. Não se sabe quando a praga começou, de onde veio, como chegou. Ela se impôs, respirando nosso ar, se alastrando. Frutas, verduras, animais, água limpa. Aos poucos os recursos foram sendo minados. A praga, resiliente, prosperou. Sobrou pouca coisa para se comer. Quiabo, milho. O quiabo foi o penúltimo a sumir; um incêndio varreu suas últimas folhagens ainda distantes da praga. Então o milho tentou. Com suas hastes compridas, seu verde chumbo forte, mas em vão. A praga já havia se decidido: o milho será o próximo.
Um café da manhã com milho cozido e papa de milho. Cerveja gelada de milho. Pipoca. E mais papa de milho. Quem ainda podia ter milho em casa, se alegrava, pois muitos não tinham nem água mais para sequer se banhar da poeira que cobria o mundo.
Assim começa Interestelar, com uma atriz mais velha falando à frente de um fundo preto, como se fosse um documentário do History Channel. Essa personagem, por sinal, tem um papel fundamental para a existência dessa nova Terra girando no espaço. Pense agora em todo esse peso sentimental conduzido pela trilha sonora de Hanns Zimmer. Um filme/livro não apenas para se ver, mas também para se ouvir, de preferência ou de olhos fechados ou com os olhos bem abertos, mirando as estrelas numa madrugada fria. Mas espera, estamos falando do filme ou do livro? Tanto faz, pois o livro foi uma romantização escrita depois do filme,
Então o livro Interestelar veio depois do sucesso do filme, depois de toda a jornada dos astronautas e é praticamente o livro descritivo, porém, algumas partes entregues sem o drama e emoção presenciados pela visual de Cristopher Nolan. A vantagem de se ter o romance é poder aprofundar em questões sobre o momento em que os personagens estão vivendo (no filme são apresentados pistas curtas e rápidas, ficando a desejar).
“É verdade, meu pai era fazendeiro na época.”
“Como todo mundo era...”
Esses dois trechos apresentam uma necessidade que o mundo vive: falta de comida. Não se educa mais os jovens pensando em engenheiros ou inventores, e sim em fazendeiros. Cooper, o protagonista, foi engenheiro e piloto da NASA, e hoje cuida de uma extensa fazenda. Seu produto principal (e único): milho.
“Ele (Cooper) era um bom homem. E também um bom fazendeiro, o tipo de sujeito que a gente gostaria de ter por perto quando precisasse que uma colheitadeira de vinte anos voltasse a funcionar com uns cabos e uma torradeira velha. Ou se quisesse que o painel solar tivesse um rendimento de mais quinze por cento.”
Assim se vê a personalidade completa de Cooper.  Um faz-tudo na fazenda. E num mundo apocalíptico, com uma praga varrendo a vegetação e tempestades de poeira que sufoca e soterra pessoas, um faz-tudo engenheiro é o que você vai precisar.
Para os mais velhos que em nada podiam colaborar num mundo assim, sobrava o sentimento niilista de apenas mais um dia pela frente.
“Donald (sogro de Cooper, um vovô de uns setenta anos) varreu a poeira da varanda da casa da fazenda mesmo sabendo que não fazia sentido, pois em questão de horas, estaria tudo sujo de novo. Mas desistir totalmente de varrer parecia mais sem sentido ainda.”
Com mais esses dois trechos temos o desenho dos últimos viventes nessa Terra condenada. A resiliência com criatividade na pessoa d Cooper e a saudade com conformismo em seu sogro Donald. Uma sociedade provavelmente (pelas pistas que colhi no livro) do ano 2050; porém vivendo um cotidiano de uma sociedade agrária dos anos 30.
“Nós somos uma geração de zeladores.” Disse o diretor da escola onde a filha de Cooper (Murph) estuda. Zeladores apenas cuidando do que foi deixado para trás e que ainda dura antes da próxima tempestade de areia. Mas Cooper sentia-se infeliz: “Nós esquecemos quem somos, Donald. Exploradores. Pioneiros. Não zeladores.”


Mesmo nessa ambientação de fim de mundo, com tecnologia de ponta, robôs falantes e inteligência artificial, Interestelar é uma obra sobre o amor, elevando esse sentimento a uma espécie de força, de artefato.
“Estou tentando dizer que não fomos nós que inventamos o amor. O amor é uma coisa observável, poderosa. Por que não deve significar alguma coisa?”
 “É por isso que quero seguir meu coração. Mas talvez tenhamos gasto tempo demais tentando descobrir tudo isso com teoria...”
Seguimos os astronautas Cooper, Amelia, Romilly e Doyle numa jornada espacial no rastro de uma tal “operação Lázaro”, iniciada há dez anos do presente da narrativa. Lázaro foi uma missão da NASA em que 12 astronautas foram enviados a outra galáxia, cruzando por um buraco de minhoca próxima a Saturno. Cada um, teoricamente, pousou num planeta nessa galáxia nova. Esses 12 deveriam registrar, analisar e enviar para a Terra os dados de seu planeta novo. A NASA receberia os dados dos 12 planetas e veria qual o mais compatível para os humanos colonizar. Esse é o esqueleto base do enredo. Porém, nessa coleção cósmica de Física, Astrofísica e Quântica, tem-se a presença do artefato mais forte que a gravidade: o amor.
“Amor é a única coisa perceptível que transcende as dimensões de tempo e espaço.”, disse a doutora Amelia Brand.
Murph e Cooper formam a base de um amor puro, entre pai e filha, um elo quântico, a ponte que cruza o espaço-tempo e permite a coexistência de fatias de momentos do passado e do presente. De toda a tecnologia de uma civilização superior (seres que vivem em cinco dimensões) que se vê desenvolver durante o filme, a ponte principal que cruzou o espaço-tempo foi o amor de um pai e sua filha. (Supostamente são esses seres superiores, chamados de “Eles”, que ajudam a NASA a tentar salvar a Terra.)
Cooper desabafa: “Como pai, eu sei que a coisa mais importante de todas é fazer os seus filhos se sentirem seguros. Portanto, não podia dizer a uma menina de 10 anos que o mundo estava para acabar”.
Por outro lado, doutora Amelia Brand, 10 anos depois de se despedir do homem que ama, cruza a galáxia seguindo uma intuição de seu coração: o amor.
“Talvez signifique que há uma coisa a mais; uma coisa que ainda não podemos compreender. Talvez seja alguma evidência, algum artefato de dimensões maiores que não podemos perceber conscientemente. Eu tenho atração por alguém do outro lado do universo, que não vejo há dez anos e que provavelmente está morto.”
Mais uma vez: de toda a tecnologia, mistério e criatividade do cérebro dos cientistas, a força mais brilhante é o amor. E é nisso que está a emoção de Interestelar.
“A evolução tem ainda de transcender essa barreira simples: nós podemos nos preocupar profundamente, com muito altruísmo, com pessoas que conhecemos, mas nossa empatia raramente se estende àqueles que nunca vimos.”
O filme é claramente visual, com interpretações, gestos e expressões faciais que ficarão na história do cinema. A cena de Cooper assistindo aos vídeos, sentado, rosto magro, úmido, é o clímax de sentimentalismo do filme. Já no livro, a mesma cena foi entregue em poucos parágrafos, rápida, curta, sem emoção. Não julgo o romance, pois não havia o que se fazer, pois o filme foi o pioneiro; Matthew McConaughey é Cooper e é impossível ler o livro sem imaginar o mesmo ator. Aliás, todos os atores ficarão na sua mente se você assistir ao filme primeiro. De toda forma, com trechos curtos e inserções novas para criar mais ligação entre as cenas, Greg Keyes (autor do romance) deixou sua contribuição para a obra e se faz necessária a leitura do romance para quem ama o filme (Eu!).
Tenha consigo que o livro não será uma experiência nova, nem um “mais do mesmo”, mas será uma contribuição, ou um complemento para o filme, mesmo que sutil. Como por exemplo, em pensamentos curtos dos personagens em momentos que no filme passam rápido, e no livro, pelo motivo óbvio de ser texto, pode ser aprofundado, criando mais empatia com a ação da cena.
O filme é de 2014, e a versão do livro em português que tenho foi lançada em 2016.
O livro físico é básico, sem nada em excesso (mas Interestelar merece uma edição especial), contei alguns 5 ou 6 erros (pequenos) de digitação (nada que vá te atrapalhar, mas estão lá). Talvez a capa merecesse um trabalho mais delicado, principalmente o trato com o texto, pois o fundo muito branco e frio da imagem dificulta a leitura do texto escuro; de toda forma, a capa é bonita, mostra o Matthew McConaughey com seu traje espacial e o nome Interestelar (que é praticamente um logo, o mesmo usado no filme e em todas as peças de divulgação da Warner Bros).
Não vou dar nota, pois sou fã total do Christopher Nolan, Matthew McConaughey e Hans Zimmer, e não consigo separar as coisas. (Mas em off eu daria nota total!)


Link para o livro físico
Link para o e-book

E aí? Você já assistiu ou leu? Comenta aí.
A resenha também está no meu Instagram, corre lá e comenta também. :-)

Bjos espaciais!





26 junho 2019

[RESENHA] Os Contos que Trago - Humberto Assumpçao



TITULO: Os Contos que Trago
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Luva
NUMERO DE PAGINAS: 100
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: A filha sempre chegava da escola ao meio dia e isso acalentava e enchia de orgulho o coração dos pais, acreditando que estavam fazendo a coisa certa. O mesmo sentimento tinha Antônio em relação a Lisa, sua dedicada esposa. Até que, ao tomar banho após um quente dia de trabalho, encontrou um negro e crespo pelo em seu sabonete branco. E Antônio, que não tem pelo algum em todo o seu corpo por causa de um trauma de infância, passou a desconfiar da santa esposa. Também temos Artemisa que é o orgulho da mãe extremamente religiosa, mas que sonhava em pular seu primeiro carnaval e conhecer a festa da carne. Um macro universo chamado Baixada Fluminense onde convivemos com o lixo e o luxo, com pretos velhos e pastores, racistas e militantes, tarados assumidos e hipócritas covardes. O certo e o errado que existe dentro de todos nós.
Os Contos Que Trago fala das ações miúdas acontecendo nesse exato momento que dificilmente percebemos, até que elas ocorram conosco

17 junho 2019

[RESENHA] Gaian l O Reinicio - Claudio Almeida




TITULO: Gaian l O Renicio
ANO DE LANÇAMENTO: 2015
EDITORA: Talentos da Literatura Brasileira - Novo Século
NUMERO DE PAGINAS: 334
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: Gaian - o Reinício é uma fantasia épica e narrará os últimos acontecimentos da 7ª Era daquele mundo que revelaram o nascimento de uma guerra, a queda do grandioso Reino do Norte e o reaparecimento dos guerreiros sagrados, um grupo destinado a combater o mal que trará, a cada povo de Gaian, desespero, dor, pavor e morte e deseja acima de tudo a destruição. Quais escolhas devem ser feitas? O que importará mais? A força ou a sabedoria? Quais serão os caminhos dos guerreiros sagrados diante dos desafios? Haverá ainda espaço nas almas para a esperança?

13 junho 2019

[RESENHA] Uma Mulher no Escuro - Raphael Montes



TITULO: Uma Mulher no Escuro
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Companhia das Letras
NUMERO DE PAGINAS: 256
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: Um crime brutal cometido há vinte anos, uma única sobrevivente, o retorno calculado do assassino. Em quem Victoria deve confiar? Neste thriller psicológico, Raphael Montes une romance e suspense em uma narrativa intrincada e sedutora. 
Victoria Bravo tinha quatro anos quando um homem invadiu sua casa e matou sua família a facadas, pichando seus rostos com tinta preta. Única sobrevivente, ela agora é uma jovem solitária e tímida, com pesadelos frequentes e sérias dificuldades para se relacionar. Seu refúgio é ficar em casa e observar a vida alheia pelas janelas do apartamento onde mora, na Lapa, Rio de Janeiro.
Mas o passado bate à sua porta, e ela não sabe mais em quem pode confiar. Obrigada a enfrentar sua própria tragédia, Victoria embarca em uma jornada de amadurecimento e descoberta que a levará a zonas obscuras, mas também revelará as possibilidades do amor. Um psiquiatra, um amigo feito pela internet e um possível namorado — qual dos três homens está usando tudo o que sabe para aterrorizar a vida de Vic? E o que afinal ele quer com ela?
Na literatura nacional, Raphael Montes é unanimidade quando se trata de livros de suspense. Uma Mulher no Escuro traz sua primeira protagonista feminina e confirma o autor como um dos mais originais da atualidade — além de deixar o leitor intrigado do começo ao fim.

10 junho 2019

[RESENHA] O Crime da Galeria de Cristal e os Dois Crimes da Mala, São Paulo, 1908 -1928 - Boris Fausto



TITULO: O Crime da Galeria de Cristal e os Dois Crimes da Mala, São Paulo, 1908 -1928 
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Companhia das Letras
NUMERO DE PAGINAS: 272
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: A partir de uma extensa pesquisa, o historiador Boris Fausto transporta o leitor à São Paulo do início do século XX e reconstitui três crimes que abalaram a sociedade da época. Um homem é assassinado num quarto de um hotel do centro da cidade. Um cadáver é encontrado numa mala quando um passageiro do navio tentava jogá-la ao mar. Um corpo de uma mulher é descoberto ao se içarem as bagagens de uma embarcação. Neste livro, Boris Fausto reconstitui três crimes que abalaram a São Paulo do início do século XX, transportando o leitor a uma cidade que fervilhava com a modernização e a chegada de imigrantes ― e se tornava palco de incidentes curiosos que alimentavam tanto as manchetes dos jornais quanto o imaginário da população. A partir de pesquisas em documentos da época, o historiador compõe uma narrativa envolvente, que se entrelaça a uma arguta reflexão sobre a repercussão dos episódios na imprensa, os julgamentos morais e as questões de gênero. 

Antologia: Santas, suas dores em cartas



E então chegou 10 de junho de 2019. Lançamento oficial do edital da antologia SANTAS, SUAS DORES EM CARTAS. Literatura gótica, horror medieval, suspense e muita coisa louca e bonita. Um projeto da Editora Coerência (SITE), organizado pelo escritor espartano Bruno Godoi (@br.godoi). 

Vamos usar mulheres históricas (gente que existiu de verdade) acusadas de bruxarias e outras maldades do tipo, e criar o nosso livro. Tudo em formato de cartas, diários, relatos desesperados etc. Esse monte de relato de gente sofrida será organizado pela lindona Catarina de Catalão e... 

Bom, está tudo explicado no edital (CLIQUE), leia, pesquise bem sobre sua mulher histórica (Joana d’Arc por exemplo é uma) e nos mande sua história.

09 junho 2019

[RESENHA] Elite



TITULO: Elite
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
DISPONÍVEL: Netflix
NUMERO DE TEMPORADAS: 1 
GÊNERO: Drama
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: Depois de um problema na escola que frequentam, três alunos do ensino público são transferidos para a Las Encinas, a melhor e mais exclusiva escola na Espanha, onde os filhos da elite estudam. O choque entre os menos favorecidos e aqueles que têm tudo culmina em um assassinato. Agora resta saber: quem está por trás do crime?

07 junho 2019

[RESENHA] O Novato (Rua do Medo) - R. L. Stine



TITULO: O Novato (Ruda do Medo) 
ANO DE LANÇAMENTO: 2001
EDITORA: Rocco
NUMERO DE PAGINAS: 120
CLASSIFICAÇÃO:  


SINOPSE: Mal o jovem Ross Gabriel chegou na escola de Shadyside já era disputado por todas as garotas. sua beleza virou alvo de apostas. Quem saísse com ele primeiro seria a grande vencedora. Janie, Eve e Faith não imaginaram o risco que corriam. Primeiro foi Eve, depois Faith. 
As duas desapareceram. Marcar um encontro com Ross podia significar um encontro com a morte. Janie sabia disso. Mas sua paixão pelo novato de Shadyside era mais forte. Seria aquele dia da realização de um sonho ou uma terrível ameaça contra sua própria vida?

06 junho 2019

[Novidades] Colunista, Bruno Godoi

 Olá pessoas lindas da minha internet! Hoje venho apresentar para vocês o nosso novo colunista do blog. Bruno Godoi, o escritor espartano viking de Minas Gerais, que além de malhar pesado e escrever muito, tem um bar com um projeto literário: o Sebo da Hicks. Uma biblioteca do bar que recebe livros usados e antigos para promover a troca entre leitores. “Pegue um e deixe outros”, essa é a ideia do Sebo da Hicks. Simples assim.

28 maio 2019

[RESENHA] Por Que Você Não Tinha? - Zilma Nattrodt




TITULO: Por Que Você Não Tinha?
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
EDITORA: Chiado
NUMERO DE PAGINAS: 248
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: O que você faria se acordasse com uma ligação, no meio da noite? O que você faria se tivesse uma segunda chance? Ou melhor, o que você faria com os seus sentimentos? Confessaria? Esconderia por medo? E se não forem correspondidos?
Essas são algumas perguntas que assolam a mente de Alexa, uma garota de dezessete anos que vive o auge de sua adolescência. Desiludida por uma péssima experiência amorosa, ela conhece Daniel, um charmoso garoto paulista, que passou seus últimos cinco anos morando em outro  país. Coincidências insólitas aproximam os dois. Até que acabam por nutrir árduos sentimentos um pelo outro. Mas, o que eles não sabem é que  a incerteza acaba virando sua maior inimiga. E, às vezes, a melhor opção é arriscar.

22 maio 2019

[RESENHA] O Lado Obscuro - Tarryn Fisher




TITULO: O Lado Obscuro
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Faro
NUMERO DE PAGINAS: 288
CLASSIFICAÇÃO: ★ 


SINOPSE: Considerada a obra mais visceral de Tarryn Fisher, você entenderá porque leitores de vários países o elegeram como um dos livros mais especiais de suas vidas.Quando a escritora Senna Richards acorda na manhã de seu aniversário, ela não está em seu quarto. Raptada e trancada numa casa em meio a uma tempestade de neve, ela precisa decifrar as pistas ligadas ao seu passado para conseguir fugir. Forjada pela dor, moldada pelo abandono, Senna se tornou uma mulher que destrói antes de ser destruída...Apenas uma pessoa conseguiu atravessar suas barreiras e conquistar sua confiança, mas isso aconteceu há muitos anos...“Isaac era um estranho, mas foi capaz de enxergar minhas feridas mais do que qualquer outra pessoa.”O cirurgião Isaac encontrou Senna em um momento de caos e vulnerabilidade, depois de um furacão que lançava cinzas sobre suas feridas. Ele a ajudou quando ninguém mais pôde, mas agora, tudo está diferente. Depois de tanto tempo distantes um do outro, os dois estão presos na mesma cabana, e podem ser consumidos por recordações que esperavam esquecer. Além do perigo que os cerca, a escassez de comida e água, e os jogos perigosos do raptor, um sentimento antigo começa a despertar, ameaçando romper novamente as defesas de Senna, o que pode ser fatal.

20 maio 2019

[RESENHA] Homo Tempus - F. E. Jacob



TITULO: Homo Tempus
ANO DE LANÇAMENTO: 2018
EDITORA: SRomero Publisher
NUMERO DE PAGINAS: 278
CLASSIFICAÇÃO: ★ 


SINOPSE: Estamos sozinhos no universo? 
Essa é uma pergunta que hoje não sabemos responder, mas no passado a resposta era “não”. Tínhamos irmãos, e não eram extraterrestres, e sim neandertais. Ao contrário da imagem que se construiu, eles eram tão humanos quanto nós, Homo sapiens, porém mais fortes e com o cérebro maior. Sua extinção continua sendo um mistério. 
Esse livro conta a história de Wallace Vidal, um jovem bibliotecário que se perdia nas fases da própria vida, mas que por acidente viaja no tempo e é aprisionado por neandertais — no futuro. Agora ele precisa fugir e entender o que causou o colapso da nossa sociedade, ao mesmo tempo em que tenta desesperadamente consertar os erros que cometeu nesse futuro que não compreende. Para isso deverá sobreviver a uma longa jornada, em que precisará da ajuda de todos que encontrar, neandertais ou Sapiens.
Com narrativa fluida e diálogos rápidos, Homo tempus é um romance distópico futurista, que se baseia nos mais recentes estudos paleontológicos. São utilizadas ideias de filósofos contemporâneos e simbolismos primitivos para retratar os ciclos de aprendizado humano que são necessários durante a vida e as consequências de serem ignorados, tanto para o indivíduo quanto para a sociedade

18 maio 2019

[Resenha] Uma Mulher na Escuridão



Uma Mulher na Escuridão | @faroeditorial | autor @charliedonlea


Rory encontra pistas e documentos ocultados na justiça ao limpar o escritório de seu pai, falecido há uma semana. Ela é investigadora forense e mergulha num caso sem solução ocorrido 40 anos atrás onde em 1979, mulheres de Chicago desapareceram. O assassino que tem o apelido de Ladrão, não deixou nenhuma pista até que a polícia recebe um pacote de uma mulher misteriosa. Mas antes que a polícia pudesse interrogá-la, a mulher desaparece sem deixar rastros.

16 maio 2019

[RESENHA] O Pantano das Borboletas - Frederico Axat


TITULO: O Pantano das Borboletas
ANO DE LANÇAMENTO: 2014
EDITORA: Tordesilhas
NUMERO DE PAGINAS: 416
CLASSIFICAÇÃO:  + ♥️


SINOPSE: Sam e Billy têm 12 anos e moram na pequena Carnival Falls. Amigos inseparáveis, eles percorrem o bosque de bicicleta e preparam-se para terminar a construção da sonhada casa na árvore. Compartilham tudo, inclusive a paixão por Miranda, a menina rica que acaba de se mudar para a cidade. Juntos, os três vivem as descobertas e as transformações típicas da idade e desvendam o mistério que assombra a vida de Sam: o paradeiro de sua mãe. Com esses ingredientes e doses generosas de lirismo, Federico Axat escreveu uma história admirável sobre a delicada passagem da infância para a adolescência e desta para a vida adulta.Mas não só. Romance de crescimento e suspense com incursões pelo fantástico, O pântano das borboletas reserva uma desconcertante reviravolta final: um segredo que, revelado, arremessa o leitor em um torvelinho de emoções e confere à trama um sentido totalmente novo.

14 maio 2019

[RESENHA] Creepshow





TITULO: Creepshow
ANO DE LANÇAMENTO: 2017
EDITORA: DarkSide 
NUMERO DE PAGINAS: 64
CLASSIFICAÇÃO: 


SINOPSE: É o sonho de todos os fãs: Stephen King na DarkSide Books. Depois do relançamento especial de Coração Assombrado - A Biografia, precisávamos dum texto com sua assinatura inconfundível. E desenterramos uma de suas publicações mais originais. É com prazer que a DarkSide Graphic Novel anuncia o lançamento de Creepshow, a primeira história em quadrinhos escrita pelo autor. Tudo começou em 1982, Stephen juntou forças com outro gênio das sombras, o diretor George A. Romero, para realizarem um filme inspirado em histórias em quadrinhos clássicos dos anos 1950, como Contos da Cripta, da EC Comics. O longa-metragem marcou a estrela de Stephen como roteirista, e, curiosamente, sua segunda aparição como ator. Creepshow, que no Brasil ganhou o nome de Show de Horrores, se tornaria um filme cult instantâneo. E, no mesmo ano, Stephen quis deixar ainda mais explícita sua homenagem à fonte original. Assim, ele adaptou seu roteiro de cinema para as histórias em quadrinhos contando com a arte magistral de Bernie Wrightson, um dos criadores e primeiro ilustrador de O Monstro do Pântano, e capa de Jack Kamen, autor da EC Comics. A história em quadrinhos era a forma perfeita para os fãs reviverem todos os pesadelos do filme em casa. 35 anos depois, você pode fazer o mesmo, até porque o mais provável é que sua VHS já esteja desimantada. Creepshow reúne 5 histórias de arrepiar, 2 delas adaptadas de contos que Stephen já havia publicado: The Crate e Weeds. Usando um decrépito narrador morto-vivo, o autor da Coisa e a Torre Negra soube recriar o clima dos gibis malditos que assustavam-no quando ainda era um adolescente rebelde no estado do Maine. Como todos os títulos da DarkSide Graphic Novel, Creepshow, tem uma edição em capa dura para você guardar para sempre com orgulho.

13 maio 2019

[Resenha] Blade Runner



Neste livro, o planeta Terra foi devastado por uma guerra e quase toda população sobrevivente emigrou para colônias, a maioria pra Marte, fugindo da poeira radioativa que acabou com quase todos os animais que agora, se tornaram um objeto de desejo para aqueles que permaneceram, mas só é um privilégio de poucos. ⠀

12 maio 2019

[RESENHA] A Paciente Silenciosa - Alex Michaelides


TITULO: A Paciente Silenciosa 
ANO DE LANÇAMENTO: 2019
EDITORA: Record
NUMERO DE PAGINAS: 350
CLASSIFICAÇÃO: ★ 


SINOPSE: Um assassinato, uma verdade oculta. As raízes do silêncio são muito mais profundas do que se pode imaginar. 
Alicia Berenson escreve um diário para colocar suas ideias em ordem. Ele é tanto uma válvula de escape quanto uma forma de provar ao seu adorado marido que está bem. Ela não consegue suportar conviver com a ideia de que está deixando Gabriel preocupado, de que está lhe causando algum mal. 
Alicia Berenson tinha 33 anos quando matou seu marido com cinco tiros. E nunca mais disse uma palavra. O psicoterapeuta forense Theo Faber está convencido de que é capaz de tratar Alicia, depois de tantos outros falharem. E, se ela falar, ele será capaz de ouvir a verdade?

© Lendo 1 bom livro - Por Day Morais | - 2016 - Layout Criado Por: Pepi Artes Digitais imagem-logo